Títulos de Renda Fixa: Qual é o mais arriscado - Prefixado ou Pós Fixado ?



Os títulos prefixados são aqueles que já sabemos exatamente o que vamos ganhar quando aplicamos, a taxa de juros é predefinida. Já os títulos pós fixados dependem de um indexador, que no momento da aplicação não se conhece o seu valor futuro, para serem remunerados, normalmente são reajustados por uma taxa de juros (SELIC, DI, TR, ...) ou um índice de inflação (IPCA, IGP-M, etc).

O senso comum é de que os títulos prefixados são mais seguros. Já fiz até algumas enquetes para confirmar essa hipótese. No entanto, a verdade é que os pós fixados são os mais seguros. O risco no mercado financeiro é medido pela variação do valor dos títulos, quanto maior a variação, maior o risco. Essa variação é medida estatisticamente, normalmente em cima do valor diário de fechamento do valor dos títulos, para o cálculo do risco utilizamos a variância ou desvio padrão, e os títulos prefixados tendem a ter um desvio padrão bem mais elevado do que os títulos pós fixados, o que implica em mais riscos.

Qual o motivo dos títulos prefixados serem mais arriscados? Eles possuem uma relação inversa com a taxa de juros atual. Se a taxa de juros sobe, os títulos contratados com a taxa antiga (mais baixa) deixam de ser atrativos diante dos novos títulos com a taxa mais alta, isso faz o seu valor de mercado cair, o titular de um título antigo, com taxa mais baixa, por exemplo, só conseguirá vender seu título no mercado com um desconto (deságio). Movimento similar ocorre quando a taxa de juros cai, os títulos antigos que remuneram melhor passam a ser mais atrativos e o seu valor de mercado sobe.

As taxas de juros costumam flutuar bastante e por isso os títulos prefixados tendem a ser mais voláteis, ou seja, mais arriscado. No mercado financeiro o risco está associado às expectativas de retorno, assim os títulos prefixados possuem maior potencial de retorno do que os títulos pós fixados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diferenças entre Crescimento Econômico e Desenvolvimento

Custo de Oportunidade