Arquivo do blog

27 de fev. de 2011

Curso Preparatório para Certificação CPA 10 em Recife




Curso Preparatório para Certificação ANBID - CPA 10


Acesse 

www.antonioamorim.com

 para informações sobre os cursos 

2013/2014

- Curso 100% presencial.
- Material Incluso no valor - Livro e Apostila de Exercícios

- Realizado aos Sábados (manhã e tarde).
- Carga Horária total = 24 h (3 sábados).
- Local: Estácio-FIR (Avenida abdias de Carvalho nº 1678) - Recife-PE
- Metodologia prática - focada em exercícios
- Professor: Antônio Amorim - Economista (UFPE), Mestre em Finanças (UFPE)
- Turmas Limitadas
- Valor do Investimento: R$ 240,00
- Início das aulas 26/03

Contato e Inscrições: antonioamorimneto@gmail.com e 81-8763.9425


*  Estamos com turmas mensais 19/10/11



26 de fev. de 2011

Desigualdade e Inflação


Fonte: Revista Veja- Edição 2205 - 23/02/11 - p.48

18 de fev. de 2011

O que é um IPO?

O que é IPO?

IPO (lê-se Aipiô) é a sigla de Initial Public Offering, em português Oferta Pública Inicial. O IPO ocorre quando uma empresa abre seu capital na bolsa. O motivo principal do IPO é captar recursos para empresa.

Exemplo: A GOL, empresa aérea, pertencia a família Constantino, após a abertura do capital, a família vendeu boa parte do capital, obteve capital para comprar novas aeronaves, e ainda teve a sua parte no capital valorizada.

Alguns fundos, conhecidos como Private Equity , são especialistas em comprar empresas fechadas para após algumas mudanças na gestão, realizar o lançamento da empresa na bolsa, obtendo grande lucro na operação.

Fazendo uma analogia com uma construtora de apartamentos residenciais, o momento do IPO se assemelha ao lançamento de um edificío, é a hora em que a construtora capta recursos e se capitaliza para realizar novos projetos. Após o IPO as ações passam a pertencer a terceiros e novos negócios com essas ações não alteram o fluxo de caixa da empresa, é como alguém que comprou um apartamento da construtora no lançamento do edifício e vendeu para um colega de trabalho, essa operação não traz receitas para a construtora. Esse mercado pós-IPO é conhecido como mercado secundário.

Grande parte das ações dos IPOs de empresas brasileiras são adquiridas por estrangeiros. É muito comum que os bancos de investimento, instituições responsáveis por promover o IPO, faça um Roadshow que dura meses, visitando os potenciais compradores no exterior.

Os investimentos realizados em IPO são registrados no Balanço de Pagamentos (BP) através da conta financeira.

Historicamente os estrangeiros são responsáveis por comprar 60% a 80% das ações lançadas nos IPOs:

Em IPO da Droga Raia, investidores estrangeiros ficam com 64,8%

Estrangeiro compra 73% da oferta da Aliansce

14 de fev. de 2011

Entendendo melhor as Letras do Tesouro Nacional (LTN)

Dentro das diferentes modalidades de investimento em títulos públicos, investir em LTNs é uma das opções mais arriscadas uma vez que a taxa de juros é definida no momento da aplicação. As pessoas normalmente me perguntam: - Se a taxa de juros é definida no momento da compra que risco existe nisso? O risco está nas mudanças da taxa de juros e na elevação da inflação. De que adianta ganhar 12% de juros ao ano se os preços aumentam 15%? Quanto é bom ganhar 10% quando o mercado paga 13%?

Se as LTNs são mais arriscadas do que as outras modalidades de renda fixa, qual é a vantagem em adquirí-las?

A vantagem é que o mercado paga um prêmio pelo risco, em outras palavras, se as atuais previsões de inflação futura se realizarem, é provável que as LTNs terão rendimentos maiores do que os títulos públicos pós-fixados.
As LTNs tem uma peculiaridade, o valor de resgate é sempre R$ 1000,00. Assim o valor de compra das LTNs é calculado com base não só na taxa de rentabilidade, mas também no tempo que falta para o vencimento.  Quanto maior a taxa de juros e o prazo para vencimento menor será o valor do título.
Com o valor do título e as taxas da corretora é possível inclusive calcular a taxa de rentabilidade líquida da operação (após pagamentos de taxas, emolumentos e impostos).
Exemplo:
Comprei hoje (14/02/2010) uma LTN pelo valor de 624,51 (inclui o preço pago mais as taxas da CBLC), o vencimento do título é 01/01/2015. Como falei o valor de resgate na data do vencimento é R$ 1.000,00.
Calculando a taxa de rentabilidade líquida:
Valor de Compra: R$ 624,51
Valor de Resgaste: R$ 1000,00
Tempo: 3,8822 anos ( de 14/02/2010 até 01/01/2015)
Rentabilidade Bruta: R$ 375,49 (1000,00 - 624,51)
Taxa de IR = 15% (Tempo Superior a 721 dias) = R$ 56,24
Rentabilidade Líquida = Rentabilidade Bruta - IR = 375,49 - 56,24 = 319,17
Taxa de Rentabilidade Líquida Total = 51,11% (319,57/624,51)
Taxa de Rentabilidade Líquida Anual = 11,22%  (calculado pelo método de equivalência em juros compostos)
Taxa de Rentabilidade Líquida Mensal = 0,89% 

10 de fev. de 2011

Hedge no Mercado Imobiliário



Nos últimos 3 anos os preços dos imoveis residenciais dispararam nas principais capitais brasileiras.  Os imóveis subiram bem mais que a poupança e as aplicações de renda fixa tradicionalmente usadas pelas famílias para juntar o dinheiro da casa própria. Muitas famílias que antes estavam bastante próximas do sonho da casa própria, hoje estão mais distantes, mesmo tendo feito aplicações mensais durante todo esse período.

O que fazer quando se tem um sonho de comprar um imóvel e apenas parte dos recursos para realizá-lo?

Como o mercado imobiliário é razoavelmente imprevisível, a primeira opção (e mais óbvia!) é dar uma entrada e financiar parte do imóvel (o SFH tem taxas de juros bastante atrativas), no entanto, como grande parte da população possui restrições de crédito e renda informal, nem sempre essa alternativa é possível. Existem também aquelas pessoas totalmente avessas ao endividamento, que se arrepiam só de pensar em assumir o passivo de um apartamento.

Para quem não pode ou quer financiar, uma opção é comprar um imóvel com características parecidas (localização próxima, mesma idade, etc) só que menor e mais barato do que o que a família almeja comprar quando tiver disponibilidades suficientes, imóvel que chamarei de "apartamento dos sonhos". Fazendo isso as famílias estarão isolando parte do risco referente aos futuros aumentos, pois quando o "apartamento dos sonhos" estiver mais caro, o que a família comprou também estará, facilitando o planejamento para compra do "apartamento dos sonhos" no longo prazo. Essa operação é uma espécie de seguro quanto aos futuros aumentos, uma compra parecida com aquela sugerida por analistas para quem vai viajar para os EUA no ano que vem: comprar hoje os dólares da viagem planejada para evitar surpresas em relação ao preço do dólar no futuro. O termo técnico utilizado para designar esse tipo de operação (comprar de ativos com correlação alta em datas diferentes) é Hedge.

A compra de um apartamento é uma decisão difícil que envolve altos custos de transação e muita burocracia, porém se comprar o "imóvel dos sonhos" é uma idéia fixa e dificilmente será abandonada pela família, vale a pena considerar a idéia de fazer o Hedge: investir em um imóvel menor ao invés de investir em renda fixa.

7 de fev. de 2011

Grafistas: Os Alquimistas contemporâneos.

Os Alquimistas foram uns sujeitos que desde antes dos tempos de Cristo, em diferentes épocas e lugares  (Mesopotâmia, Egito Antigo, mundo islâmico, Pérsia, Índia, Japão, Coréia, China, Grécia Clássica, Roma e Europa), e durante séculos e séculos tentaram entre outras coisas obter Ouro através de metais menos nobres como o Chumbo. Para isso usavam elementos da Química, Física, Astrologia, Arte, Filosofia, Metalurgia, Medicina, Misticismo, Geometria e Religião. Apesar de ser influenciada pelo conhecimento científico a alquimia nunca foi considerada ciência, e obviamente nenhum alquimista, mesmo aqueles que dedicaram uma vida inteira a esta atividade chegou nem perto de obter o desejado Ouro. Analisando friamente podemos crer que essas pessoas realmente passaram as suas vidas acreditando que através de técnicas rudimentares poderiam obter Ouro através de metais menos nobres.

         Uma vez indagaram Benoît Maldelbrot, matemático francês de origem judacio-polonesa, o motivo de ele usar os dados do mercado de ações para testar a sua Geometria dos Fractais. Mandelbrot, uma cabeça 200 anos na frente da nossa, respondeu que utiliza os dados do mercado de ações por serem tão aleatórios quanto as variáveis naturais, ou seja, dificilmente na natureza ele acharia dados perfeitamente aleatórios em tamanha quantidade.

         Atualmente milhares de pessoas dedicam-se a análise técnica de ações, pseudo-ciência que consiste em localizar padrões nos gráficos das ações para tentar lucrar no mercado, essas pessoas em sua maioria são leigos munidos apenas dos gráficos e de sua percepção e acreditam que podem vencer o mercado.

Em 2001 trabalhei numa dissertação de mestrado e alguns artigos científicos em que demonstrei que era possível através de técnicas estatísticas avançadas determinar a probabilidade de um cliente bancário tornar-se inadimplente através do seu cadastro. Animado com os resultados obtidos, posteriormente, de várias formas tentei aplicar as técnicas estatísticas utilizadas para prever a inadimplência bancária no mercado de ações brasileiro.

         Revisei vários estudos e aperfeiçoei as técnicas estatísticas utilizando softwares de redes neurais. Coletei e depurei uma quantidade de dados imensa, na época o computador passava horas processando as correlações e os modelos para previsão. Tive que comprar um cooler especial, pois eram tantos cálculos que o processador esquentava a ponto de queimar (inclusive tive um processador bem caro queimado). O resultado era que analisando o passado alguns ativos tinham variáveis com correlação alta com o futuro, e fazendo o Backtest, ou seja testando o modelo desenhado com dados do passado, ele podia prever com maestria. O problema era o futuro: apesar de estar muito bem ajustado aos dados do passado, os modelos não conseguiam prever o futuro.
Esse problema é conhecido no mundo das redes neurais como hiperajustamento dos dados. Em outras palavras, testam-se tantas variáveis (centenas de milhares) que por coincidência algumas delas terão correlação alta com a previsão dos ativos, mas na prática fica diagnosticado de que aquilo foi apenas coincidência.
Desde a década de 90 diversos bancos e corretoras tentam através de computadores superpoderosos e caríssimos instalados dentro da bolsa de valores para ter uma vantagem mínima de tempo, junto com softwares de última geração e pessoas de QI estratosférico egressas das melhores universidades do país obter pequenos lucros através de operações quantitativas. Esses fundos denominados "quantitativos", apesar de todos os recursos descritos apresentam desempenho similar aos demais. Além deles existem uns cidadãos que vendem umas informações "furadas" pela internet. Os dados que recebo por e-mail de uma dessas empresas, por exemplo, apesar de alegar ter uma alta taxa de retorno, pelo que acompanhei só indicam operações perdedoras denotando que a taxa de retorno nas operações divulgada pela empresa é mais falsa do que uma nota de 3 Reais.
Tenho a opinião de que se realmente os gráficos indicarem por algum momento que existe uma oportunidade não será aquele rapaz espinhento que se formou aos trancos e barrancos naquela faculdade de segunda que vai descobrir. Vários estudos mostram que os grafistas tem rendimento médio menor que os índices de mercado (Ibovespa), mesmo assim muita gente continua trabalhando com seus graficos de apenas uma variável e mais gente ainda coloca dinheiro na mão desses sujeitos.
Hoje a academia científica, através da nova teoria das finanças inaugurada por Markowittz na década de 50 sabe que o mercado de ações é aleatório e tentar achar padrões nos gráficos com apenas uma variável se trata de uma espécie de alquimia moderna, portanto inócua, segundo a teoria o correto em um ambiente imprevisível e aleatório é diversificar os ativos usando correlações negativas para melhorar a relação risco-retorno, mas até que os leigos aprendam isso, talvez, assim como aconteceu com os alquimistas, demorem séculos procurando o ouro-de-tolo.